Nota Histórica

Nota histórica

 

            Difícil de ser explicado, fácil de ser constatado e aceite, é o facto da escolha por parte de Nossa Senhora, do irmão Fernando Pires, para seu confidente. Nascido em Angola, no ano de 1946, veio para Portugal, na altura da descolonização. Homem humilde e reservado, nasceu no seio da igreja católica; contudo, apesar de baptizado e ter frequentado a catequese, ter feito a comunhão solene e a profissão de fé, mais tarde, deixou de ser praticante. Ao Domingo, acompanhava a esposa e o filho à igreja, mas não assistia à missa. Preferia ficar cá fora à espera que o serviço religioso terminasse. Durante largos anos, assim aconteceu. O irmão Pires ainda não tinha sido chamado pela nossa Mãe Santíssima, a sua alma não estava desperta e preferia não participar.  

                     Ao sábado à tarde, a esposa do irmão Pires rezava o terço, com um grupo de irmãos, em casa de alguma amiga, onde se reuniam com aquela intenção. Do grupo faziam parte várias irmãs, e porque testemunharam a mudança operada no irmão Pires, destaco duas: a irmã Rute e a irmã Maria Alice, senhoras católicas, praticantes. A irmã Maria Alice, amiga da família do irmão Pires, é também uma senhora angolana, que veio viver para Portugal depois da descolonização. E, porque habituada a climas mais quentes, não se dava bem com os Invernos portugueses; pelo que se habituou a ir para o Brasil, onde arranjou casa, e passou a viver grande parte do ano. Irmã piedosa e devota de Nossa Senhora, gosta de ofertar imagens da Virgem Maria às paróquias brasileiras mais desfavorecidas. Neste contexto, sempre que está em Portugal adquire pelos seus meios, ou como oferta de uma outra pessoa piedosa, que deseja manter o anonimato, uma dessas imagens, que depois faz chegar ao seu destino, levando-a  consigo para o Brasil, ou convidando alguém a levá-la. Contudo, enquanto está em Portugal, a imagem, que adquiriu, percorre em peregrinação as casas das pessoas que  geralmente  se reúnem para rezar  a oração do santo terço.

Um dia  levaram uma daquelas  imagens de nossa Senhora  a casa do irmão Fernando Pires para estar presente durante o terço. Mas, o irmão  Pires não assistiu ao terço, ficou  fechado no seu quarto todo o tempo da duração do terço. Entretanto, aconteceu algo muito singular com ele: alguma “coisa” tocou no seu corpo da cabeça aos pés e a sua cabeça ficou muito quente. Quando terminou o terço, a sua esposa foi ao quarto, mas ele não lhe  contou nada do que lhe acontecera, Contudo este acontecimento  marcou o irmão Fernando Pires. Ele, que até aí, não tinha qualquer interesse pela religião, parece ter sido tocado pelo Divino Espírito Santo… e…. começou a interessar-me,   acedeu a participar na oração e acompanhou a esposa, indo rezar o terço a casa da irmã Rute.  Uma  imagem de Nossa Senhora que deveria seguir para o Brasil estava lá, um pouco atrás, no altar improvisado para o efeito. O irmão Pires olhou a imagem e pediu que a colocassem à frente. Naquele momento ninguém  sabia o que se passava no seu íntimo; mas, a partir daí não mais deixou de rezar o terço com o grupo de oração, inclusive passou a rezá-lo também em sua casa.

No dia 2/7/98, apareceu-lhe uma cruz gravada na testa. Ele diz-nos que  estava sentado, quando subitamente, viu uma Luz mais brilhante que o sol e quase não teve tempo para balbuciar qualquer palavra, caindo de imediato de joelhos, sentindo-se atraído e invadido por um respeito cheio de amor com o seu coração batendo forte e acelerado. Olhou bem de frente e intensamente para essa Luz que se mantinha imóvel, depois aconteceu qualquer coisa que não sabe explicar, talvez uma espécie de desmaio parecendo-lhe ter descoberto um outro mundo. Diz-nos que esteve quase um mês a ver a mesma Luz. Um mês depois, no dia 3/8/98, no momento, em que olhava de frente para aquela  Luz que se  mantinha imóvel, ela abriu-se e viu uma  outra  Luz muito mais brilhante  que se movia, e  falava com ele, mas  ele não via um rosto. A voz que se fazia ouvir disse-lhe ser a Virgem Maria, e que ele fora escolhido pelo Seu Filho e o Divino Espírito Santo. Ela  estaria sempre com ele e com todos os Seus filhos que rezassem o terço e, por essa razão, foi marcado com uma cruz na testa como primeiro sinal para as pessoas acreditarem no Seu Filho Jesus. Disse-lhe ainda que mais sinais iria dar dali em diante, pedindo-lhe que rezasse mais e mais com grupos de oração.

          Um mês depois, no dia 6/9/98, na mesma luz brilhante e maravilhosa que não fazia doer os olhos, apareceu-lhe uma belíssima Senhora, vestida de branco, da qual não se viam os pés, mas o rosto, sim. Tinha o cabelo comprido, castanho escuro, ondulado, olhos castanhos claros, uma voz estranha, que não sabe descrever, mas bonita.

         

Esta entrada foi publicada em Historial. ligação permanente.