Mensagem de do irmão Fernando Pires em 22/12/2013

Mensagem do irmão Fernando Pires em 22 de dezembro de 2013

         Bom dia, meus irmãos e irmãs. Tenho a graça de poder escrever esta mensagem com o auxílio do Arcanjo São Gabriel, para todos vós  e para os  irmãos do mundo inteiro.

         Queridos irmãos e irmãs, em primeiro lugar gostaria de vos cumprimentar: -. Bom dia a todos e  que Jesus Cristo e Maria  sejam sempre louvados“.

         Como vós  certamente  notastes,  no dia um de dezembro do corrente ano, no Corgo da Igreja, tive uma conversa agradável com nossa Senhora, que não passo revelar. Depois do nosso diálogo, a Nossa Mãe da Bondade partiu em Oração, juntamente com os três Arcanjos, Gabriel, Miguel e Rafael. Foi-se no sinal de Luz, com a saudação: “ Fiquem em Paz, Meus filhinhos queridos “.

            Irmãos, é mais um ano que vai chegar ao seu final.  É um tempo de reflexão sobre o nosso caminho percorrido até aqui, e de sonhos para projetos que desejemos concretizar no próximo ano. Um tempo de renovar as forças e a esperança nas promessas de Nosso Senhor Jesus Cristo, crendo que o melhor de Deus para as nossas vidas estará para vir.

            Temos muito que agradecer a Deus. As Graças recebidas no Corgo da Igreja, ao logo de todo este ano de 2013. Agradecer sobretudo, a Sua Bondade e Misericórdia. Ele nos deu o Seu Filho Unigénito, que veio ao mundo para nos salvar. Por isso, irmãos, elevemos também neste Natal, as nossas preces a Deus, a fim de que, no novo ano que se aproxima, Ele nos conceda  de novo as suas Bênçãos e a Sua proteção, para que nos faça ainda mais fiéis servidores e nos torne, dignos das promessas de Cristo.

            Meus irmãos, por vezes nós temos medo que Deus não aceite  as  palavras da nossa boca, mas  Deus  aceita todas as palavras. Nós é que não aceitamos. Deus ouve tudo  o que Lhe dizemos porque o Seu Amor é Infinito. A nossa confiança em nós próprios, porque somos pecadores é que não é infinita.  Temos que confiar mais, tem que ser, tem que ser, porque só assim alcançaremos o que a  Glória de Deus reserva para nós.

            Aproximamo-nos do Natal do Senhor Jesus Cristo. Na verdade, Deus na Sua infinita condescendência, veio ter connosco, fez-se um de nós no seio da virgem Maria, tornou-se um connosco, o Emanuel. A  existência de Jesus Cristo e o Seu nascimento, constituem uma realidade histórica consoladora para nós, prova-nos  que Deus nos toma a sério, que  nos ama, interessa-se por nós e cuida de nós.

            Uma das marcas da vivência deste tempo de Natal é a preparação do Presépio, com grande poder evocativo do nascimento de Jesus Cristo, acolhido pela nossa Mãe Maria, José,  os Anjos e os Pastores.  É tempo de alegria, mas não devemos esquecer que é  pela Cruz que nos vem a Salvação. No caminho de todos os videntes, encontra-se a Cruz da perseguição, da calúnia e da rejeição. Além de outras, nós os videntes, encontramos também as das proibições das autoridades. E estas fazem-se sentir em especial, nas Mensagens da Nossa Mãe do Céu. Não é fácil irmãos obedecer ao Céu, quando na terra, os senhores do mundo o proíbem. Nestes casos, necessitamos mais de discernimento e de bom senso, para obedecer antes a Deus que aos homens. Foi esta a minha única saída e a do meu diretor espiritual, para o cumprimento da minha missão. Mesmo assim, irmãos, a nossa Mãe da Bondade aconselhou-me: Obedece sempre que é para obedecer, e rezai muito pelos bispos e pelos sacerdotes. Humilha-te diante de tantas perseguições e calúnias. Oferece os teus sofrimentos. Oferece os teus sofrimentos pela conversão de quem te  persegue e  calunia.

            Não estranhemos irmãos, nem nos revoltemos se a hierarquia não aprova o lugar, Corgo da Igreja. Têm as suas razões. Tem se passado o mesmo com outros lugares de aparições, e  que hoje são tão  visitados! Neles acontecem milhares de conversões e muitos  milagres. Irmãos, satanás sabe muito bem farejar onde há fracassos. Mas nós não nos cansemos de proclamar mil vezes. Bendito é o fruto do Teu ventre Virgem Maria..

            Dirijo-me aos meus irmãos e irmãs que sofrem perseguições, discriminações, atos de violência e intolerância, particularmente aos irmãos da Ásia, da África e do Médio Oriente, e de modo muito especial aos da Terra Santa, lugar escolhido e abençoado por Deus. Peço também a todas as nações que intervenham prontamente para por fim a toda a violência contra os cristãos. Peçam a todos os irmãos que habitam naquelas nações, que não desanimem, porque o testemunho do Evangelho é e será sempre sinal de contradição.

            Meditemos no nosso coração as palavras de Jesus Cristo: Felizes os que choram, porque hão-de ser consolados. Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Felizes sereis quando, por Minha causa, vos insultarem, vos perseguirem e, mentindo, vos acusarem de toda a espécie de mal. Alegrai-vos e exultai, pois é grande nos Céus a vossa recompensa. Por isto, irmãos renovemos o compromisso por nós assumido no sentido do perdão. Que invocamos nós no Pai Nosso? Nós condicionamos, a medida da desejada misericórdia quando rezamos: Perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido…

            A violência não se vence com a violência. Que o  nosso grito de dor seja sempre acompanhado pela Fé, pela Esperança e pelo testemunho do Amor de Deus. Faço votos para que cessem no ocidente especialmente na Europa, a hostilidade e os preconceitos contra os cristãos, pelo facto de estes pretenderem orientar a própria vida de modo coerente com os valores e os princípios expressos no Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. Mais ainda irmãos, que a Europa saiba reconciliar-se com as próprias raízes cristãs, que são fundamentais para compreender o papel que teve; saberá assim experimentar a justiça, a concórdia e a Paz, cultivando um diálogo sincero com todos os povos. O mundo, irmãos, tem necessidade de Deus. Sem Deus não há Paz, mas a Paz é um dom de Deus. Uma nação reconciliada com Deus está mais perto da Paz. Não é simples evitar conflitos. O mundo vive, nos nossos dias direta ou indiretamente, uma grande crise económica e social. É uma dolorosa realidade que a todos nós nos preocupa. Mesmo o grande consumismo nesta época de Natal acaba por sentir o  impacto dessa situação.  Se pensarmos  bem, podemos ver facilmente que por detrás desta situação de crise económica e social, está também uma crise moral, mais profunda e mais grave, em que os valores fundamentais, a realidade de Deus, e a grande falha  da nossa  relação com Ele são fatores  que  muito contribuem para a situação  que temos. O sentido  da vida e a dignidade do homem, de todo o ser humano, a consciência dos direitos, dos deveres, da justiça, da honestidade, do respeito mútuo, da solidariedade e da gratuidade; esses valores fundamentais, são desconsiderados, enquanto as diversas formas de egoísmo, do individualismo, da ganância selvagem, criam um desequilíbrio no interior do homem e viciam as relações entre os irmãos, afetando também a equidade económica, financeira e social, com todo o seu rol de inquietações, de insegurança, de sofrimento e de miséria. Espero, irmãos, que este Natal  nos revele o essencial da nossa existência e da nossa vida, e nos ajude a tirar lições para o futuro, promovendo as relações essenciais e adequadas com Deus, com o próximo e com a nossa própria consciência. Que assumamos uma atitude de vida simples, digna, honesta, solidária e fraterna. Foi assim que Jesus Cristo viveu no mundo, passando a vida a fazer o Bem.  O seu exemplo  será verdadeiramente para nós, caminho,  verdade  e  vida.  A nossa alegria seria perene e todos os dias seriam Natal.

            Meus irmãos e irmãs, vós ainda não haveis entendido porque a nossa Mãe da Bondade, vem todos os primeiros    domingos do mês… O que Ela tem para me dizer… e o que eu também lhe digo. Devo  dizer-vos que falamos muito. Um dia, quando todas as coisas forem reveladas, neste lugar sagrado Corgo da Igreja, compreenderemos porque Ela tem vindo todos os meses. Nos diálogos que tive com a nossa Mãe do Céu, Ela lembrou-se das tradições. Falo do costume de pedir a Bênção aos pais, avós, tios, padrinhos, ao bispo e aos sacerdotes. Vejo que, infelizmente, no mundo agitado em que vivemos, estamos perdendo as bonitas tradições que nos foram legadas pela nossa fé, estamos perdendo a oportunidade  de sermos abençoados por Deus. Era bom, irmãos, que nós continuássemos a abençoar os nossos filhos como os nossos pais nos abençoaram no passado. Devemos dar a bênção aos nossos amigos. Nas despedidas, devemos dizer “Deus te acompanhe; Deus te guarde, vai com Deus, que Deus te abençoe”. Todas estas manifestações da nossa religiosidade e da nossa Fé, nós não devemos ter vergonha de proclamar. Devemos  ensinar aos nossos filhos e amigos o poder da palavra Bênção de Deus e a sua  grandeza.  Nós como batizados, podemos também fazer chegar esta consoladora  Bênção ao maior número possível de irmãos. Quando nós damos a Bênção, nós a recebemos, somos portadores da Bondade, da clemência e da Misericórdia Divina. Se o nosso coração é portador de Bênção, somos sempre abençoados por Deus. Quando fazemos o sinal da Cruz na fronte, somos protegidos dos maus pensamentos; ao fazer o sinal da cruz sobre o peito somos protegidos dos maus sentimentos ; e ao fazer, por fim o sinal da Cruz nos ombros, somos protegidos no nosso agir de cristãos. Irmãos, somos muito felizes por pertencer à Igreja de Cristo. Se continuarmos a dar a Bênção e nos  assumirmos como cristãos o mundo será cada vez melhor.

            Neste Natal,  façamos  os mais sinceros votos de felicidade, para  o mundo. No dia do nascimento do Menino Jesus que celebramos no dia 25 de dezembro,  eu convido  os irmãos do mundo inteiro  a nos  unirmos na Fé e na  Oração, e deste modo podermos reunir-nos em  presença ou em espírito para louvar aquele que nos ensinou o que é o Amor, o que é a verdadeira Amizade. Não vos esqueçais de beijar os pés do Menino Jesus, como a nossa Mãe da Bondade nos pediu.

            Neste natal de 2013 e no novo ano de 2014, partilho convosco os meus votos de felicidade e agradecimento. Deixemos que Jesus Cristo habite nos nossos corações e transforme os nossos lares. Que Jesus possa decorá-los com as Bênçãos da Felicidade e prosperidade, oferendo-nos um lar aconchegante, onde nós possamos encontra-Lo todos os dias da nossa vida, de braços abertos pronto a acolher-nos.           

            Termino  desejando a todos um Feliz Natal e Ano novo com Jesus Cristo no Coração. Que o Senhor e Maria nos abençoe a todos nós, com a Sua infinita Paz, Ámen.

            Um abraço do irmão em Cristo e  Maria.

            Fernando Pires.

 

Esta entrada foi publicada em Mensagens Pires. ligação permanente.